Páginas

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Dia Nacional da Cultura Científica | 24 Novembro


 

O Dia Nacional da Cultura Científica comemora-se a 24 de Novembro e foi criado em 1996 em Portugal, por iniciativa do Professor Mariano Gago. Neste dia nasceu Rómulo de Carvalho (em 1906), o professor de Física e Química responsável pela promoção do ensino da ciência e da cultura científica em solo nacional. Rómulo de Carvalho foi também poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.

A Biblioteca da FCT NOVA associa-se às comemorações | Venha celebrar connosco
Assista ao filme O Jogo da Imitação às 16:00h no Auditório da Biblioteca
Comentários – Prof. Christopher Auretta
Use o PIN comemorativo


 
 Pin da Comemoração 2017

O Jogo da Imitação (no original, em inglês, The Imitation Game) é um filme de suspense histórico. Realizado em 2014, o filme é uma cinebiografia do criptoanalista inglês Alan Turing, vagamente baseado no livro Alan Turing: The Enigma, de Andrew Hodges. Turing liderou um grupo dos serviços secretos britânicos na missão de decifrar os códigos da máquina Enigma usada pela Alemanha Nazi durante a Segunda Guerra Mundial, sendo um inovador da ciência da computação.

Realizador: Morten Tyldum
Argumento: Graham Moore,  Andrew Hodges
Atores: Benedict Cumberbatch,  Keira Knightley e Matthew Goode



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Cine Clube | Julieta




Sinopse:

Julieta (Emma Suárez/Adriana Ugarte) é uma mulher de meia-idade que está prestes deixar Madrid para viver em Lisboa, com o namorado Lorenzo (Dario Grandinetti). Entretanto, um encontro fortuito na rua com Beatriz (Michelle Jenner), uma antiga amiga da sua filha Antía (Blanca Parés), com quem já fala há mais de uma década, fazem-na desistir da mudança. Regressa ao antigo prédio em que vivia e lá começa a escrever uma carta para a filha, relembrando o passado entre ambas.

Texto adaptado de:




terça-feira, 7 de novembro de 2017

Fronteiras 2017

 FRONTEIRAS 2017

16 de novembro de 2017 | 16h00
Auditório da Biblioteca FCT NOVA, Campus de Caparica 

Integrado na 7ª Edição do Mês da Fotografia ImaginArte Almada
Inserido no Programa de Formação de Utilizadores

FOTOGRAFIA E QUESTÕES LEGAIS 

David Carvalho Martins - Advogado, assistente convidado da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, mestre em Direito e doutorando pela referida Faculdade. Tem desenvolvido a sua atividade profissional nas áreas do Direito do trabalho e do Direito da propriedade intelectual. Os variados temas debatidos anteriormente podem ser consultados (no index Fronteiras) em http://biblioteca.fct.unl.pt/CDB/, http://bibliotecaunl.blogspot.pt.

Moderador: Fernando Egídio Reis - Professor, Vice-presidente da EDUCOM Associação de Telemática Educativa, dinamizador de projetos educativos em escolas do Ensino Básico e Secundário, na área das TIC e da Administração e Gestão Escolar, Investigador em História das Ciências, Formador de docentes.

A Biblioteca da FCT NOVA, no Campus de Caparica tem vindo a desenvolver um variado conjunto de atividades que passam por seminários, palestras, workshops, instalações de arte, cineclube, concertos, etc. Desde 2008 que promove um espaço onde ocorrem grandes debates (que têm lugar pontualmente durante o ano programático) em torno de temas de interesse geral, designado por FRONTEIRAS.

Os variados temas debatidos anteriormente podem ser consultados (no index Fronteiras) em http://biblioteca.fct.unl.pt/, http://bibliotecaunl.blogspot.pt.

Cooordenação 
José Moura (DQ, FCT NOVA e Biblioteca, Campus FCT NOVA)
José Paulo Santos (DF, FCT NOVA)

Co-Coordenação
José Guimarães (ImaginArte Almada)






quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Exposição | A cor das palavras ... E se fosse música ?

 Exposição | A cor das palavras... E se fosse música ?

Pintura | De Pilo da Silva
De 9 de Novembro a 15 de Dezembro
Inauguração da exposição: Novembro 9 | 17h
Sala Multiusos da Biblioteca FCT NOVA



As obras agora apresentadas são parte do trabalho desenvolvido ao longo dos últimos dois anos e estão organizadas em dois grupos entre si relacionados. Foram concebidas de forma a se integrarem na ideia geral de que as palavras, as letras, na sonoridade da sua fonética nos sugerem cores e formas do mesmo modo que a música, combinando harmoniosamente entre si sons de grande riqueza cromática, nos sugerem formas, cores, ritmos.


GEOMETRIAS E NÚMEROS

A palavra de origem grega caos, de acordo com uma das definições do Dicionário Houaiss de Língua Portuguesa, significa: “na tradição platónica, o estado geral desordenado e indiferenciado de elementos que antecede a intervenção do demiurgo, por meio da qual é estabelecida a ordem universal.”
Curiosamente uma das exposições de 2003 de Manuel Pilo da Silva intitulava-se “entre o caos e a ordem”.
O artista herdeiro do movimento de abstracção geométrica e da sua vanguarda pictórica do princípio do século XX, representada por Piet Mondrian, Wassily Kandinsky, Hilma af Klint e Victor Vasarely, entre outros, Fernando Lanhas, Maria Keil e Nadir Afonso, em Portugal, partilha uma das suas preocupações da cosmogenia: o caos ou vazio patente em toda a realidade exterior é reorganizado pela capacidade racional do indivíduo. É uma luta permanente e intrínseca do ser humano e por vezes a impotência e angústia no fracasso da reestruturação do mundo exterior transforma-se em expressão artística.
E aqui temos Pilo da Silva com este seu último trabalho a querer com as suas pinceladas limitar-nos a um universo bidimensional onde a razão se traduz na organização geométrica e posteriormente matemática.
A sua pintura, polida, cuidada e com o rigor que lhe é próprio, adquire equilíbrio na combinação das formas geométricas com a luz e as vibrações das longitudes de ondas cromáticas que a compõem.
Em algumas das obras expostas deparamos com muitas figuras geométricas que se transformam em signos do nosso alfabeto: a linguagem escrita como exteriorização da razão e os números como base essencial das ciências.
Em um dos trabalhos, de forma quase desapercebida num parêntesis figurativo, e certamente como provocação, está representado um pássaro amarelo em cima de um quadrado vermelho, contemplando a obra como espectador tal como nós. Possivelmente no intuito de avisar que todo o esforço de introspecção não deve jamais pôr de parte a realidade do nosso quotidiano e, a modo orteguiano, a nossa circunstância.
Encontramo-nos perante uma obra exposta com coerência e bem fundamentada na qual o pintor optou por acompanhar a exposição na Biblioteca da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, Campus da Caparica, com música de Erik Satie e as suas notas límpidas, claras e simples, criando assim um conjunto de acentuada beleza.

Manuel Pilo da Silva em Prelúdios um livro de poemas da sua autoria, no capítulo “Desencontros” diz: “Existem precipícios nas palavras que ocultamos”
Devemos entender por certo que o precipício é o vazio e o caos, que o artista combate com a sua pintura.

Roberto Santandreu
Cascais, Novembro de 2017

BIO | PILO da SILVA

MANUEL ESTEVÃO PILO DA SILVA
nasceu na Margueira (Almada) em 1932.

Participou em diversas exposições entre as quais se contam:
- 1.ª e 2.ª exposições de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian em 1957 e 1961
- IV Exposição Colectiva de Artes Plásticas, Galeria Pórtico,1957
- Exposição de homenagem à Companhia Brasileira de Teatro Maria Della Costa, Teatro Apolo, Lisboa, 1957
- Entre 1956 e 1957, juntamente com António Domingues, Rui Filipe, Francisco Relógio e Artur Bual, entre outros, organizou e participou em exposições didácticas em Associações Académicas
- Exposição de Artes Plásticas integrada na Feira Internacional do Livro e do Disco – F.I.L., Lisboa, 1975
- Exposição individual na Galeria do Centro Municipal de Cultura de Castelo de Vide, Junho 2000
- Exposição individual na Galeria de Exposições do Clube Portugal Telecom, Lisboa, Novembro de 2000
- 3.ª Bienal de Artes Plásticas da Marinha Grande, Outubro e Novembro de 2000, com itinerância no “Ayuntamiento de San Ildefonso - La Granja”, Segóvia – Espanha, Dezembro e Janeiro de 2001
- 7.ª e 8.ª Exposições Internacionais de Vendas Novas, Auditório Municipal, Vendas Novas, Outubro e Novembro de 2001 e 2002
- Exposição individual no Clube Thomarense com o patrocínio da Comissão Central da Festa dos Tabuleiros de 2003

Em 1958 fixou residência em Madrid onde trabalhou até finais de 1959. De regresso a Lisboa dedicou-se também à actividade publicitária e ao desenho gráfico
Está representado em colecções particulares em Portugal, Espanha e Suécia
Encontra-se citado no “Portuguese 20th Century Artists”, Michael Tannock, 1978